segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

200

Eis aqui meu post nº. 200.

Não sei se ele exprime dois zeros, se exprime vinte zeros – o que dá na mesma – ou ainda se exprime duzentos. Acredito ser a última opção. Mas duzentos ‘o quê’? Duzentos desabafos, duzentos escritos a esmo, duzentas histórias? Talvez seja isso, mas não estou bem certa. Na verdade nunca estive bem certa sobre nada, nem sobre nascer, nem sobre morrer, e muito menos sobre o intervalo entre uma coisa e outra. Da mesma forma, não estou bem certa a respeito do que exprimem esses meus 200 posts.

Esse blog sempre foi uma fuga pra mim. Através dele eu pude fugir das minhas angústias e aflições, fosse postando algo engraçado, fosse revelando algo mais íntimo, fosse dizendo qualquer coisa por dizer. Era a minha própria fuga e eu podia fugir como quisesse: isso era o máximo!

Confesso que hoje, lendo meus posts mais antigos, eu me considerararia uma pessoa bacana se não me conhecesse. Não que eu não seja, vejam bem: é que há divergências. O fato é que, bacana ou não, não me sinto mais a mesma pessoa de antes. Seria o tempo, implacável, operando tantas e visíveis transformações? O tempo entre essas duzentas ‘quaisquer coisas’ foi hábil para me modificar tanto? E a minha fuga, o que aconteceu com ela? Talvez tenha deixado de ser uma fuga e se transformado em outra coisa também, assim como eu mesma me transformei. Talvez, talvez...

Não sei. Acho que sim, mas não estou bem certa. Preciso pensar mais a respeito. E vou publicar esse post antes que eu mude de ideia e que as minhas crises existenciais calem de vez a voz desse blog, han.

7 comentários:

Andre Martin disse...

Por favor me aponte uma única pessoa sequer, que seja 100% segura de si, do que quer, e que não tenha dúvidas. Isto não existe!

Somos todos humanos e muito parecidos neste sentido, apesar das enormes diferenças individuais de cada um.

Mas uma coisa é certa: mudamos a cada tempo que passa.

E eu não tenho dúvida, que sempre para melhor, mesmo que na hora não nos pareça assim (e pode demorar muito para nos convencermos disto, talvez uma vida inteira e até depois da morte! rsrs).

Nasca disse...

Não sei. Acho que sim. Mas eu me encontrei algumas vezes por aqui. Em outras ganhei, perdi.. não sei, mas acho que sim... só volta :*

˙·٠•● ѕεறிoτιvo ◦ disse...

Parabéns.

Cereio que todos nós blogueiros nos sentimos exatamente assim.

Ler as postagens antigas dá uma sensação boa e esquisita.
É como quando olhamos adolecentes de 15 falando idiotices e a gente se pega pensando (meu deus, eu não era tão boba assim). Mas éramos, não reconhecemos, mas éramos.
A única diferença é que nas postagens encontramos o lado bom das fases antigas.

Belas inspirações... ^^

Beijos

Ray

Claudinha disse...

Sou suspeita pra falar sobre o blog pq me identifico com os posts, me divirto com alguns, me sinto tocada por outros... E é claro q me identifico nesta questão de sentir um estranhamento ao ler os posts mais antigos e perceber que, apesar da essência ser a mesma, mtas coisas mudaram e continuarão mudando.

E, sinceramente, considero um dádiva conseguirmos nos re(criar) a cada dia. Pode parecer meio bobo, corriqueiro, mas mta gente não consegue.

Nathalia disse...

eu nem sei qntos posts eu tenho! mas relendo tudo, eu tb me consideraria bacana... ou não.
crises existenciais "existem" haha, eu mudei e é oq eu preciso saber (:
beijo!

Richard Zeimanny disse...

Engraçado o fato de eu ter me sentido EXATAMENTE assim hoje. Costumo dizer que mudamos um pouco, algo do tamanho de um grão de areia, a cada 7 minutos. No final, juntando os grãos conseguimos formar uma cidade. Após 200 postagens é impossível ser o mesmo.
Great Blog!

Ceisa Martins disse...

Ah!
Post 200... parabens!
Mas onde esta o post 201, o 202,... , o de número 768???

Volte para compartilhar mais conosco!

Beijos!