segunda-feira, 12 de maio de 2008

Bum.

Ando sem inspiração.
E esse texto fala por mim. Ah, ele fala...


DESABAFO DE UMA MULHER MODERNA
.
6:00h da manhã...
O despertador canta de galo e eu não tenho forças nem para atirá-lo contra a parede... Estou tão cansada, não queria ter que trabalhar hoje. Queria ficar em casa, cozinhando, ouvindo música, cantarolando até... Se tivesse filhos, gastaria a manhã brincando com eles, se tivesse cachorro, passeando pelas redondezas. Aquário? Olhando os peixinhos nadarem. Se eu tivesse tempo... gostaria de fazer alongamento... Brigadeiro... Tudo menos sair da cama e ter que engatar uma primeira e colocar o cérebro pra funcionar.

Gostaria de saber quem foi a m e n t e c a p t a, a infeliz matriz das feministas que teve a brilhante idéia de reivindicar os direitos da mulher. Queria saber PORQUE ela fez isso conosco, já que nascemos depois dela. Estava tudo tão bom no tempo das nossas avós: elas passavam o dia a bordar, trocar receitas com as amigas, ensinando-se mutuamente segredos de molhos e temperos, de remédios caseiros, lendo bons livros da biblioteca dos maridos, decorando a casa, podando árvores, plantando flores, colhendo legumes das hortas, educando as crianças, freqüentando saraus, enfim... a vida se resumia a um grande curso de artesanato, culinária e medicina alternativa.

Aí vem uma fulaninha qualquer que não gostava de sutiã e tampouco de espartilho e contamina várias outras rebeldes inconseqüentes com idéias mirabolantes sobre "a conquista do nosso espaço. "QUE ESPAÇO, MINHA FILHA???” Você já tinha a casa inteira, o bairro todo, o mundo aos seus pés! Detinha o domínio completo sobre os homens. Eles dependiam de você para comer, para se vestir, pra tudo! Que raio de direitos?! Pediu?! Agora eles estão aí, homens confusos, que não sabem mais que papel desempenhar na sociedade, fugindo de nós como o diabo foge da cruz. Essa brincadeira de vocês acabou nos enchendo de deveres, isso sim. E nos lançando no calabouço da solteirice aguda!

Antigamente, os casamentos duravam para sempre, tripla jornada era coisa do Bernard do vôlei (e olhe lá, porque naquela época não existia Bernard do vôlei). POR QUE??? Me digam por que um sexo que tinha tudo do bom e do melhor, que só precisava ser frágil, foi se meter a competir com a machaiada? Olha o tamanho do bíceps deles e olha o tamanho do nosso. Tava na cara que isso não ia dar certo!

Não agüento mais ser obrigada ao ritual diário de fazer escova, me maquiar, passar hidratantes, escolher que roupa vestir e que sapatos combinar, que acessórios usar... estou tão cansada de ter que disfarçar meu humor, de sair sempre correndo, ficar engarrafada, correr risco de ser assaltada, de morrer atropelada, passar o dia ereta na frente do computador, com o telefone no ouvido, resolvendo problemas que nem são meus! E como se não bastasse, ainda ser fiscalizada e cobrada (até por mim mesma) de estar sempre em forma, sem estrias, depilada, sorridente, cheirosa, com as unhas feitas. Sem falar no currículo impecável, recheado de certificações, especializações, mestrados, doutorados... Ahhhh!!!

Viramos super mulheres e grande parte continua ganhando menos do que eles. Não era muito melhor ter ficado fazendo tricô na cadeira de balanço? Pra mim... CHEGA!... Eu quero alguém que PAGUE AS MINHAS CONTAS! Abra a porta para eu passar, puxe a cadeira para eu sentar, me mande flores com cartões cheios de poesia, faça serenatas na minha janela...
Ai meu Deus, olha aí, já são 7:30.
E eu preciso levantar...
.
(Autora: uma Executiva P... da Vida)
Ps: fiz algumas alterações.

4 comentários:

«« ڱemöґïvö »» disse...

=o
Incrédula*

Não acredito que vc, logo vc colocou um texto desse tipo no seu blog e ainda apoiou-o...
Acho que vc esqueceu de citar que naquela época da "vida boa" Mulher apanhava, era tratada como cachorra,( quer dizer, bem pior.) Não sabiam ler(e nem podiam), não podiam dar opiniões, nem sair de suas casas sem seus maridos, eram violentadas até por seus irmãos sem ter o direito de abrir a boca pra denunciar, etc, etc, etc...
Acho que o fardo a gente pode diminuir, mas daí a esculaxar a autora da nossa independência... issso é inaceitável!
Sei que opinião é opinião, respeito a sua, mas tb tenho o direito de mostrar a minha.
E a quem escreveu este texto aí, um recadinho: Só pq vc acordou cedo e não quiz trabalhar, isto não te dá o direito de filosofar de uma forma banalizada as mulheres que tanto lutaram e ate morreram para dar-nos este conforto.
Beijo e... desculpa se falei demais...quando discordo de algo eu falo da mesma maneira quando elogio com o que me identifico.. rsrs. Mas se quiser retrucar, fique a vontade tá?!
;)
Beijo

Ray

Lih disse...

Olha, em primeiro lugar acho que é necessário interpretar as coisas.
No meu modo de interpretação, quando a autora do texto diz que antigamente a vida da mulher era melhor, era pq ela não tinha tantas responsabilidades nem tanta sobrecarga como acontece hoje em dia.
Sério, é ótimo ser independente.
Só que tem hora que cansa e tudo o que a gente quer é alguém pra cuidar da gente e cuidar de TUDO pra gente. E isso era o que acontecia antes.

Bem, espero que tenha entendido o meu modo de interpretação.
À vontade para opinar, sempre.

:*

v. disse...

seria legal o homem trabalhar bastante o dia todo (e ganhar mais que o normal) para chegar em casa e chegar num lar calmo e desestressado que a figura da mulher proporcionaria.

não acho degradante, é até mais difícil que trabalhos comerciais e rotineiros. não que o homem faça melhor esses trabalhos, o ideal seria que o casal escolhesse quem trabalharia em casa e quem fora. mas não é assim e raramente eexceções podem acontecer, infelizmente, graças ao equivocado modo de criação que é usado desde sei lá quando.

bom, sei lá.me chamem de machista mas acho isso mesmo.

o texto deve ser interpretado, e não lido planamente. todo texto, aliás. cuidado com o extremismo que cega.

Claudinha disse...

Huahsuahsuhauhsuahsuah! Mto bom o texto... Essa tal executiva pelo jeito entregou pra Deus.. e tu Lih? Tambm entro meio q em parafuso, principalmente neste período do semestre e do mês, mas no final das contas, a gente sempre acaba sobrevivendo... Bjs!
Obs.: Qnto tmpo sumida, hein!!