quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Eternas Diferenças

A chegada de um novo ano me fez refletir um pouco mais sobre a evolução humana e sobre a evolução dos relacionamentos entre homens e mulheres no geral.
Embora o mundo pós-moderno venha pregando toda uma liberdade sexual feminina [sim, pois a masculina sempre existiu], é patente a distinção entre sexos feita pela nossa sociedade preconceituosa. Nesse sentido, antigamente as coisas eram muito mais simples, principalmente para as mulheres... Pois é, embora o preconceito fosse mais evidente, existia um ciclo que normalmente era cumprido: a mulher namorava, noivava e casava, permanecendo com o marido até o fim da vida. Já o homem zoneava, depois escolhia uma esposa certinha e com ela permanecia até o fim de sua vida [sem prejuízo das amantes, claro, porque homem não é safado só desde agora].
Atualmente, as mulheres conquistaram um pouco da tão falada liberdade sexual contemporânea, mas quais foram as conseqüências?
Os homens passaram a se assustar conosco.

Hoje em dia eles não sabem mais o que querem, misturam as estações e nos deixam confusas.

Ainda que uma mulher tenha certa estabilidade emocional e seja bem resolvida, correrá o risco de se deixar abalar quando se apaixonar de verdade por um homem. Se for insegura, ferrou-tudo-de-vez: o cérebro dela dará piruetas de quando em quando e as inseguranças serão uma constante.

Em suma, hoje as mulheres acabaram por despertar medo nos homens, justamente por não sermos mais aquele modelo antigo que vivia apenas para as tarefas domésticas, educação dos filhos e sexo. Além disso, se a mulher for bonita, inteligente e educada, o medo masculino tende a aumentar: para os homens, está praticamente fora de cogitação estabelecer um relacionamento sério com uma mulher dessas, afinal, como fica o medo de ser corneado? E o medo de ficar caidinho e perder o controle?

Homens fogem de tudo por medinho. Seja ele de perder a liberdade, de se envolver realmente com alguém ou de ser abandonado como uma pobre noviça inocente.

Não assumem uma mulher, por insegurança própria [medo], por pressão de terceiros [medo] e até por não gostarem dela realmente. E se não gostam realmente, porque não procuram outra ao invés de enganar a coitada?
Homens chegam a ser cruéis.

Bah, homens!

*Talvez esse texto tenha ficado “feminista” além da conta.

5 comentários:

lucas disse...

hummm... interessante ponto de vista.
não compartilho da mesma idéia pois não tenho problemas com mulheres mais, vamos dizer "atrevidas", absolutamente, eu as adoro.

Erika disse...

tá totalmente apoiada!!! =D

Daniel disse...

Não entendo mais essa questão como machismo ou feminismo; acho que hoje em dia, tantos os H quanto as M querem aproveitar a vida, inclusive o sexo. Acho que os relacionamentos amorosos mais sérios estão perdendo espaço, pois hoje as pessoas estão colocando temas como o profissional à frente do amoroso. Agora, como tudo tem 2 lados, há uma crescente no que diz respeito as pessoas se sentirem solitárias. Enfim, antes de tudo, cada um é cada e posiciona como bem entender as suas prioridades não é mesmo? Bjus e bom final de semana.

sieger disse...

Eu te apoio (sou homem feminista)

Andre M disse...

Tudo que é novo assusta. O ser humano é arredio às novidades. O conhecido é cômodo. Novidades implica em adaptação, e poucos são os que querem mudar...
Essa mudança de condições masculinas e femininas não assusta só aos homens, mas muitas mulheres também têm dificuldades de se adaptar. Ficam apavoradas e não sabem o que fazer com a liberdade que conquistaram. E fica sempre mais fácil atribuir dificuldades ao preconceito.
Sempre fico com ressalvas quando se usa o argumento do preconceito, pois há sempre outros fatores muitas vezes não levados em conta, como por exemplo tradições e/ou séculos de história.
Mas adoro mulheres que me assustam!