quinta-feira, 9 de agosto de 2007

O valor das coisas

Algumas vezes, precisamos aprender a dar valor em coisas banais.
Coisas simples mesmo, como por exemplo, um rolo de papel higiênico: enquanto ele tá lá você acha que ele não tá fazendo mais do que a própria obrigação, mas quando ele acaba você começa a pensar “Que droga, acabou! Preciso pegar outro”.
Da mesma forma, a água. Quando tem água em casa, o.k., tá tudo normal. Mas é só acontecer algum problema na tubulação e acabar a água, que surge o pensamento “Não acredito que acabou! Agora como vou tomar banho, lavar roupa e fazer comida?”.
Aliás, isso me lembra até uma frase de Thomas Fuller:

"Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água."

Pois assim é a vida, muitas pessoas só conseguem dar valor a algo depois que acaba.
E aí não adianta chorar pelo leite derramado.

6 comentários:

Thiago disse...

Procuro viver minha vida de forma intensa, valorizando cada momento, casa pessoa, cada coisa. Perceber que não aproveitou tudo aquilo que podia ter aproveitado com alguém dói demais. :/ Tento fazer tudo aquilo que tenho vontade, antes que seja tarde demais.

Li disse...

É bem assim mesmo... ô se é!!
Beijo!!

Iara Alencar disse...

oi
achei voce no blog do daniel.
segunda a sexta.
sabe so damos valor as coisas quando elas se vão.

poxa, estes chocolates ai em cima mexeram com minha cabeça.

Iara Alencar disse...

oi li..

nao sei o que deu com meu blog.
meus amigos não consguem visulizar.
nao entendo.

que bom!!
eu ja pguei aquele pronto na internet.

Mila disse...

Ai, eu que to uma chata, viu. Precisava bem ler isto.

Segunda a Sexta disse...

Ah, eu, detalhista como sou, geralmente faço o contrário: muitas vezes dou mais valor às coisas do que elas têm... enfim, antes excesso de good vibes, do que falta.

Beijão!